★☾ ✿Gente - Miúda✿

★☾ ✿Gente - Miúda✿
Era uma vez, uma garotinha que se chamava... Bora ler!

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Pedido

(Autoria: Fernanda)


A menina corria para a liberdade, na verdade ela nem entendia o que queria dizer aquela palavra. Só sabia que precisava sair dali e saiu.
Tudo parecia tão amplo agora, o que pensaria dona Rosa, quando não a visse no cantinho do castigo?
O frio da noite lhe abraçava tão forte, que ela mal conseguia andar, sentia fome, medo e solidão.

Aninhou-se por ali mesmo no chão e dormiu com a canção que o mar sabia fazer.
Mas a noite parecia não ter braços para lhe aquecer, e ela acordou tremendo.
Então começou a correr na areia para ficar com calor, mas não resolveu muito, pois sentia também sede, decidiu ficar mais perto do calçadão.
Ali sentou, chorou e perguntou por quê?

Senhor aí do alto, olha euzinha aqui embaixo.
Sou eu a Fernanda do orfanato, lembra?
Eu Fuji de lá, me diz fiz errado?
Sabe? Não quis errar, eu sei que não devemos fazer nada de errado, porque você não gosta.
É que lá eu não conseguia conversar contigo direito, e não podia olhar tua casa como gosto de fazer todo dia.
Pode me fazer um favor?
Queria que dona  Rosa sentisse amor tão grande, que nunca mais puxasse nenhuma orelha, ou jogasse a bolinha de gude.
Cuida dos meus amiguinhos também Senhor.

Você sabe tudo que penso e sinto, o padre falou na missa do amor eterno. Um amor que se doou por cada ser humano.
Foi por querer entender melhor que fui até lá no altar com ele.
Queria saber mais desse amor eterno, e ele me disse que seu nome era Jesus, e que você amava muito as crianças e todas as pessoas.
Então eu procurei saber mais de ti, e cada vez que eu sabia, mais me encantava.
Quando chegou naquela parte que cuspiram-lhe a face, e lhe bateram bem forte eu fiquei muito triste, e o senhor sabe disso.
Pensei que talvez fosse igual aquela dor do milho no joelho quando ficava de castigo.
O padre também falou que tudo que pedisse ao pai do céu em seu nome ele nos daria. Depois que soube disso venho pedindo em seu nome, para que ele arrume pais com um amor tão grande para cada criança que não tenha um.

Sabe Jesus? Um dia eu vou ser bem grande e cuidar de todas as crianças sem pais, vou amar bem grande cada uma delas e não deixar que chorem por doer por dentro.
Você doeu por dentro por causa da maldade né? Eu soube que mesmo a maldade te machucando você perdoava, porque você é amor.
Jesus, daí do alto dá para ver a Itália bem de perto?
A minha mãe Helena voltou para aí?

Porque eu não consigo pedir para mim, como peço para meus amiguinhos? Se eu conseguisse você mandava minha mãe de volta né? Mas não me sinto merecedora para pedir.
A dona Rosa disse que sou apoquentadora, e isso é uma palavra feia demais, e tenho receio de saber o que quer dizer. Mas se ela disse deve saber, porque me conhece desde que era um bebê.
Eu sei que você sabe o que eu pensei agorinha mesmo.
Que colocasse em dona Rosa um coração que apertasse como orelhas puchadas, toda vez que ela fizesse maldade. Mas só quando ela fosse má.
Que a Julinha consiga arrumar a cama de um jeito que a bolinha de gude role todos os dias, e que ela não sofra muito com minha ausência.

Se eu merecer, queria que ficasse bem pertinho de mim.
Sei que se estiver comigo, vou ficar sempre bem.
Hoje eu deixei meus pés tocarem o mar, ele me beijou os pés tão bonito.
Eu gosto do mar Jesus, obrigada por ele.
Agora vou apreciar o sol e você fica com Deus tá?

PS: Nada aqui é fictício

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

A menina e o amor

(Autoria: Fernanda)


Era uma vez, uma garotinha que se chamava Fernanda.
Essa garotinha tinha sido criada num orfanato, um lugar que as pessoas adultas guardam seus filhotes por um tempo, ou deixam eles lá para adoção.

(Adoção funciona assim:
Uma moça que gosta muito de criança e não pode gerar seus próprios filhotes, vai lá, olha cada rostinho, se encanta com um deles, e gosta tão grande que quer ser sua mãe, e a criança gosta também tão grande dessa moça que quer muito ser seu filhote, e então em comum acordo eles passam a ser um do outro como mãe, pai e filho de verdade).

Nesse lugar, Fernanda era a única criança, que não queria ser adotada. Ela se escondia quando via chegar os casais que queriam conhecer as crianças.
Porque ela fazia isso? Bom...
Primeiro porque ela tinha a certeza que seus pais iriam voltar para lhe buscar, e sendo assim, as outras crianças que estavam na vez, podiam ser escolhidas com maior rapidez.

Certa vez no natal, as crianças faziam pedidos do que queriam ganhar. Depois colocavam debaixo da árvore e iam se deitar.
Todos mencionaram vários brinquedos, de tudo quanto era jeito.
Bola, boneca, jogo de cozinha, raquete de tênis, enfim, vários brinquedos foram citados.
Fernandinha como era chamada por lá, pediu seus pais de presente.

Nessa noite ela nem conseguia dormir de tão ansiosa.
Foi lá e deixou dois pares de meia engatados na ponta da árvore, um era para seu pai e o outro para sua mãe.

Mas será que eles irão caber aí dentro?
Acho que sim, o papai do céu pode fazer tudo que quiser, e pode deixar o meu papai e minha mamãe bem pequenos e depois esticar eles.
Então constatou que as meias estavam bem posicionadas e foi se deitar.

Logo pertinho do nascer do sol, não resistiu ao cansaço e dormiu.
Mas o horário do sino soara, e o barulho era ensurdecedor.
Ela meio sonolenta esqueceu-se de arrumar do jeito certo sua caminha que dividia com outra coleguinha.
Naquela manhã Fernandinha correu para a sala com todos seus amiguinhos.
Cada um havia ganhado o brinquedo almejado.
Ela então abraçou seus coleguinhas e saiu no meio dos brinquedos, procurando o seu presente.

Lá estava o par de meias um ao lado do outro, mas não havia nenhum pai e mãe grudados neles.
Ela chegou pertinho, abriu, olhou por dentro, balançou para ver se caia alguma coisa e nada!
Então ela saiu bem silenciosa e voltou para o quarto, sentou-se pertinho da janela e olhou para o céu.

Senhor do alto, desculpa se eu não pedi direito ontem.
Acho que não falei as palavras certas e o senhor diante de tantos pedidos não entendeu o meu. Eu pedi meu pai e minha mãe de volta aqui dentro dessas meias.
Olha! Elas estão vazias.
Nisso entra dona Rosa e pergunta a ela.
Fernanda como pode não ter arrumado sua cama?
Quais são as regras, diga-me?

Fernanda - Arrumar bem arrumado, puxar o lençol e depois jogar a bola de gude, se rolar está bem arrumado, se não rolar fica o dia inteiro de castigo.

Dona Rosa - Exatamente. Jogue a bolinha de gude.

Fernandinha joga a bolinha e ela não rola.
Dona Rosa - Então levante-se do chão, arrume a cama direito e vai para o canto do castigo.

De lá consegue enxergar a pontinha do céu e das nuvens.
Com os olhos marejados fica de cabeça baixa e as lágrimas começam a pingar em sua perninha, até formar um laguinho pequeno, ela enxugava e lá estavam novamente as lágrimas.

Sentia uma dorzinha por dentro, massageava com a mão o lugar, mas parecia que lá dentro havia uma ferida que doía e doía.
Ouvia porém, a animação dos seus coleguinhas, todos estavam felizes e era isso que importava.

Depois aninhou a cabeça perto da parede e ali dormiu e sonhou.
Sonhou com um lugar cheio de flores e que um menino com lindas asas vinha bem pertinho dela e lhe perguntava.
Fernanda quer morar aqui?
Ela - Eu vou ter asas também?
Ele riu e depois lhe disse: não. Mas se quiser morar aqui, eu vou cuidar muito bem de você.
Ela - Mas esse lugar é longe dos meus amiguinhos?
Ele - De certa forma apenas. Mas deve ser muito obediente, para que eu possa cuidar da melhor forma de ti.
Ela - Está bem.
Ele - Saiba: todas as dificuldades que passar, se puser amor no meio, tudo ficará bem.
Ela - O que quer dizer d i f i c u l d a d e?
Ele - Problemas.
Ela - Também não sei o que é problemas.
Ele - Cada lágrima que fizer doer teu coração, isso é chamado também de problemas.
Ela - Ah!
Ele - Lembre-se Fernanda, o amor é a arma mais poderosa de todo o mundo e é sua arma na saída deste lugar até sempre.
Ela - Sim.

Ela - Menino que voa, quem é você?
Ele - Sou o teu anjo da guarda, e sempre estarei ao teu lado.
Ela - Então vamos morar juntos?
Ele - Desde que você nasceu moro contigo, fui criado para te proteger.
Ela - Mas você foi criado onde?
Ele - Fui criado por Deus.
Ela - E eu?
Ele - Você também foi criada por Ele, um pouco diferente de mim.
Ela - Por isso eu não tenho asas?
Ele - Risos... Sim menina. Tuas asas moram no teu coração.
Ela - Então não posso nem rir muito, se não ele pode voar?
Ele - Risos... Ria o quanto quiser Fernanda, suas asas nunca irão embora.

Ela acorda, e em volta percebe que já se fazia noite, as crianças dormiam.
Mas onde estava dona Rosa, que não a tirou do castigo?
Então levanta e vai novamente à sala olhar a árvore.
Nisso sente uma dorzinha na orelha, era dona Rosa, que a fez voltar outra vez para o castigo.

Naquela noite, ninguém merecia ser castigado pensou.
Pegou suas lembranças e olhou para os amiguinhos, se despediu e fugiu.
Não olhou nenhuma vez para trás, apenas queria ir muito além, lá no lugar daquele sonho do anjo.


PS: respondendo a pergunta de Erico.
Querido, TUDO que escrevo em meus blogs eu vivi.
Nada é fictício.
Mimha imaginação não alcançaria tanto.